.:: Junta de Freguesia de Caíde de Rei - Lousada ::.
Este website utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação e aumentar a usabilidade do mesmo. Para aceitar o uso de cookies basta continuar a navegar no website. Para mais informação consulte a informação sobre Politica de Privacidade e Política de cookies do site.
Aceitar
Início
Quarta-Feira, 05.10.2022
Agricultura - O Linho
Caíde de Rei foi, e até certo ponto continua a ser uma aldeia essencialmente voltada para a vida agrícola, a terra é muito fértil. Bem o provam os seus rústicos caminhos de carros de bois.

Há poucos anos atrás era ainda a freguesia do concelho que mais vinho produzia.

Para além deste produto agrícola, são também dignos de referencia o milho e o feijão.

O centeio assim como o linho praticamente desapareceu dos nossos campos.

Uma das razões terá sido a falta de gente para trabalhar na agricultura, devido à emigração e à fuga das pessoas para os centros urbanos.

Para tentar solucionar esse problema foram-se introduzindo pouco a pouco as máquinas e hoje quase todos os lavradores-caseiros as possuem.


O Linho

A cultura do linho foi, até alguns anos um dos aspectos notáveis desta terra de Caíde De Rei. Bem o provam a existência de dois engenhos (um já em ruínas, o outro em boas condições), mandados construir em fins do séc. XIX pelo Sr. António Pinto de Babo.

Estes engenhos não só maçavam o linho daqui, mas também das terras vizinhas.

Hoje só conhecem “as voltas que o linho leva” as pessoas mais velhas. Já ninguém cultiva o linho, as razões são várias, entre as quais se destacam: a fuga aos trabalhos agrícolas, (este é um dos que envolve muitas mãos, não pode ser feito com máquinas) e por outro lado, embo­ra o linho seja muito caro, não dá o suficiente para pagar as despesas que o seu trabalho exige.

Todo o ano se trabalha no linho.

No mês de Abril é semeado, em terra previamente preparada (bem estrumada e alisada com os engaços-encinhos).

De Abril a princípios de Julho, altura em que arrancado, necessita de vários cuidados, regas constantes, arrancar as ervas daninhas que impedem o seu normal desenvolvimento.

Aproximando-se o fim de Junho o linho começa a ficar amarelado (maduro) é necessário marcar o dia da arrancada para que não coincida com a dos vizinhos, e rogar as raparigas e rapazes que neste traba1ho são sempre em maior número.


É levado no carro de bois, para a eira e em seguida ripado.

Coloca-se o ripo, com os seus grandes dentes de ferro preso à cabeçalha do carro. Um grupo de raparigas fazem as mãos-cheias, os rapazes passam o linho pelo ripo para lhe sair a bagarela (bergueirela) onde estão a semente. As raparigas, para dificultarem a ripagem e ao mesmo tempo para brincar, fazem nós e metem-no no meio da mão-cheia.

Depois de estar tudo ripado levasse ao poço onde aos molhos, fica mergulhado na água cerca de 15 dias. É pre­ciso de vez em quando ir ver se já esta bem ou não. Se lhe sair a casca (linho) está pronto a sair, caso contrário precisa de mais água.

Após esta fase é levado para um monte próximo. Onde estendido às carreiras fica a secar e a receber o orvalho da noite (9 dias).




Vai novamente à eira ser malhado num dia de sol, para facilitar a sua maçagem. Depois vai ao engenho para ser maçado, em pequenos molhos é metido no engenho (puxado pelos bois).

Os homens da casa, depois da maçagem fazem as maçadoiras com um pé pisam uma parte do linho e com as mãos puxam para ele ficar mais ou menos direito e de maneira que as mulhe­res possam torçe-lo e assim fazer as estrigas. O conjunto de doze estrigas é chamado uma “mão de linho”.

É chegada a altura do serão da espadadela.

As raparigas vem cantando pelo caminho com es espadeladoiro e espadela debaixo do braço. Os rapazes neste trabalho, não tomam parte, só participam na dança.

O Serão é animado pelas belas vozes das raparigas, que nunca se esqueçem de ver fora do beiral, “deitar o terno”, é o melhor processo de chamar os rapazes. nesta fase tiram-se os tomentos, primeiro os grossos (ditos d'abaixo) e depois os finos (d'alimpa).

Noutro dia a marcar, o linho é asseado.

Passam-se as estrigas pelos afiados dentes do sedeiro para lhe retirar a estopa. Em primeiro lugar sai a estopa gros­sa e depois a fina, o que resta é então o linho puro. A estopa põe-se em mamlos e o linho em estrigas.

A fiação é trabalho geralmente destinado às mulheres da casa(mãe e filhas), ou então alguma mulher idosa se vai distraindo a fiar. Há cinco tipos de fiação: tomentos grossos e finos, estopa grossa e fina e o linho propriamente dito.

Terminada toda a fiação é preciso trabalhar no sarilho, que transforma as massarocas feitas no fuso, em meadas.

Aproxima-se o Março e é também necessário fazer uma das mais difíceis tarefas, “Curar” as meadas.

Começa-se por cozer as meadas, o que pode ser feito de três maneiras: no forno, nas grandes panelas de ferro com três pernas ou no cortiço, de qualquer forma se usa grande quantidade de cinza envo1vendo as meadas. Destes três processos o que dá melhor resultado é a cozedura nas panelas. As meadas, envolvidas em grande quantidade de cinza e água cozem nas panelas durante meio dia.

No tanque lavam-se, depois de cozidas, para ficarem sem cinza. Em seguida, são metidas no cortiço, cobrem-se com um lençol e por cima deita-se mais cinza, mas de forma que não chegue às meadas (por isso se coloca o lençol). Deita-se por cima, água quente do manhã e à noite durante três dias, são os chamados cosedouros. No segundo dia viram-se as meadas ( a parte que estava para dentro volta-se para fora e vice-versa) e renova-se a Cinza.

Ao quarto dia tiram-se do cortiço metem-se em canas e vão corar para o campo. Dia sim, dia não metem-se novamente no cortiço e levam mais água quente, ficam assim durante a noite e ao outro dia de manha voltam para o campo. De vez em quando em vez da barrela lavam-se no tanque. Todo este trabalho leva mais ou menos quinze dias, até ficarem brancas.



Quando estão prontas (brancas) lavam-se muito bem no cesto (virado com o fundo para o ar e coberto com um pano) para que fiquem macias.

Agora que esta passada e fase mais difícil é preciso dobar as meadas na dobadoira e depois mandar os novelos à tecedeira para no tear tecer o pano de linho, que irá enriquecer, o enxoval da família.

 

 

1.arrinca do linho      

2.ripo

3.maço e mangual                                                                                          

4.engenho de maçar linho de tracção hidráulica

5.modelo de engenho de maçar linho de tracção animal

6.espadela e espadeladouro

7.cortiço e espadeladouro

8.sedeiro

9.rocas e fusos

10.fiandeira

11.roda de fiar                    

12.sarilho

13.dobadoura

14.urdideira

15.caneleira

16.tear

17.tear de grade
Notícias
Autarcas
Retrospetiva Histórica
Caíde em Linha
A localidade Caíde de Rei viu chegar o comboio a 20 de Dezembro de 1875.
Tradições Culturais de Caíde de Rei
- Cantigas - Ensalmos - Orações - Jogos Populares
Agricultura - O Linho
A cultura do linho foi, até há alguns anos atrás, um dos aspetos notáveis desta terra de Caíde.
Mapa da Freguesia de Caíde de Rei
Início Autarcas Freguesia Informações Notícias Mapa do Portal Contactos Política de Privacidade
Junta de Freguesia de Caíde de Rei - Lousada © 2009 Todos os Direitos Reservados
Desenvolvido por FREGUESIAS.PT
Portal optimizado para resolução de 1024px por 768px